Conheça os três tipos de esfoliante facial

Físico, químico ou enzimático? Entenda as diferenças e escolha o melhor esfoliante facial para o seu tipo de pele

Compartilhar:

Esfoliar a pele do rosto remove as células mortas e garante uma aparência uniforme, hidratada e saudável. O esfoliante físico, que tem grânulos, é o mais comum, mas, além dele, existem outros dois tipos: o químico e o enzimático. Então, qual escolher? Com ajuda da dermatologista Marcela Gomes, a gente explica as diferenças entre eles e quais as vantagens de cada um.

“A esfoliação consiste em acelerar o processo de renovação da pele removendo a camada mais superficial e as sujidades que não saem na lavagem diária”, explica a expert.

Esfoliante físico

É o tipo de esfoliante mais conhecido. Ele usa partículas físicas que esfoliam através do atrito. “Esse atrito remove a camada de células mortas da pele. As partículas podem ser de vários tamanhos de acordo com a necessidade de cada pele”, diz Dra. Marcela.

Na hora de aplicar o produto, é importante fazer movimentos suaves e leves para não machucar o rosto. Além dos esfoliantes faciais para usar em casa, existem tratamentos de consultório, como os peelings, que também usam esse tipo de abrasão para renovar a pele.

esfoliante

Esfoliar deve ser um cuidado semanal

Esfoliante químico

“Ao invés dos grânulos, ele usa substâncias ácidas que promovem a renovação celular rompendo a adesão entre as células”, explica a dermatologista. O produto promove uma descamação, que remove as células mortas.

Os ácidos mais usados são os alfa-hidroxiácidos (AHA), como o ácido glicólico, salicílico e retinóico. Eles fazem com que as células mortas se desprendam e abram espaço para a pele mais nova, mais macia e com mais brilho.

O produto, que pode ser um sérum, tônico ou creme, é aplicado no rosto sem esfregar. É um tipo de esfoliação intensa e que exige uma hidratação mais potente depois.

esfoliante

A esfoliação química é mais potente e deve ser feita com menos frequência

Esfoliante enzimático

É o tipo de esfoliante facial menos comum, mas também é muito eficaz. Ele é composto por enzimas que “digerem” as células mortas e o excesso de sebo da camada mais externa da pele. As substâncias podem ser sintéticas ou naturais, também conhecidas como biológicas. Algumas das mais comuns são a enzima da romã e a bromelina, do abacaxi.

É uma esfoliação facial mais suave e, por isso, costuma ser tolerada até pelas peles mais sensíveis.

esfoliante

O tratamento deixa a pele mais bonita e viçosa

Com que frequência usar cada um dos tipos de esfoliante?

Segundo Dra. Marcela, tudo vai depender da intensidade do produto e do tipo de pele de cada pessoa. “Não é um cuidado diário. As peles mais oleosas, que costumam ser mais espessas, e as peles menos sensíveis, podem esfoliar da forma que preferirem uma vez na semana. Já uma pele mais seca e uma pele sensível pede intervalos maiores”, afirma.

A esfoliação facial física, em geral, pode ser repetida com mais frequência, mas a esfoliação química, por ser mais potente, precisa de intervalos maiores, especialmente se a concentração do ácido for alta. A médica recomenda fazer apenas um tipo de esfoliação facial por vez.

esfoliante

Esfoliação física

Depois de usar qualquer um dos tipos de esfoliante, é importante hidratar muito a região com um produto específico para o seu tipo de pele. Isso vai potencializar os resultados e evitar descamação. Não se esqueça também de reforçar o protetor solar porque a pele fica mais suscetível aos danos dos raios UV.

Você costuma fazer esfoliação facial? Conta para a gente aqui nos comentários!

- Por Maria Clara Serpa