Pele sensível: principais cuidados

Quem tem pele sensível sabe que um passo em falso pode causar irritação. Para ajudá-la, a dermatologista Denise Lage, revela ao que é necessário ficar atenta!

Você tem a pele sensível e toda vez que vai testar um cosmético novo é a mesma coisa: ela fica avermelhada, descasca, repuxa, etc.? Se esse é o seu caso, está na hora de procurar um dermatologista.

Quem tem a pele sensível deve estar sempre atenta, pois qualquer cosmético errado pode causar irritação ou até mesmo uma alergia. Para ajudá-la a tomar os cuidados necessários, a expert e dermatologista, Denise Lage, revela como cuidar desse tipo de pele.

Eu tenho a pele sensível?

Para saber se a sua pele é sensível ou não, o ideal é buscar um dermatologista. Mas se você percebe coisas, como: vermelhidão, ardor, coceira, sensação de repuxamento, maior tendência a formação de rugas e baixa oleosidade, já pode ficar ligada.

“A pele sensível é hiper-reativa, ou seja, é mais reativa a estímulos do que uma normal. A marca da sensibilidade dessa pele é a inflamação. Ela pode ser uma característica de uma série de condições diferentes, incluindo acne, rosácea e eczema (pele atópica), ou pode estar associada à pele ‘apenas’ sensível que queima e arde em resposta a diferentes estímulos”, explica Denise.

Esses estímulos citados pela nossa expert, podem ser os externos, como radiação UV, frio, calor, vento, cosméticos, sabão, entre outros, ou internos, como o estresse, emoções, ciclo menstrual, alimentação ou fatores genéticos.

Hiper-reação

Uma característica marcante desse tipo de pele é a intolerância a cosméticos. O que acontece é que a epiderme de uma pele sensível apresenta a função de barreira alterada. “Isto favorece a desidratação da pele e, principalmente, a penetração de agentes potencialmente irritantes. Outra teoria é de que esse tipo de pele libere maior quantidade de certas substâncias, como neuro mediadores, citocinas pró-inflamatórias, que favorecem a sensibilização da pele a vários fatores. Acredita-se também que haja uma produção aumentada de radicais livres”, revela a expert.

Uma das grandes dúvidas sobre cosméticos é em relação ao esfoliante, afinal, se a pele é sensível ele pode ser usado? E a resposta é: se for físico, com grânulos ásperos, nem pensar! Nossa expert indica buscar produtos químicos ou enzimáticos específicos para esse tipo de pele, que contam com grânulos “aveludados”, que podem ajudar a melhorar a circulação sanguínea, desobstruir poros e aumentar a capacidade de absorção de produtos hidratantes. Porém, é importante ficar atenta e usar esfoliante apenas uma vez por semana, quando a pele não estiver em crise.

Cuidados básicos

Como a pele sensível tem menos tolerância a aplicação de cosméticos, é legal optar por uma rotina onde o menos é mais. A dermatologista indica começar com produtos de limpeza cremosos ou neutros, indicados para esse tipo de pele, que contam com poucos ativos e zero fragrâncias. Aposte também na água termal, que hidrata e acalma a pele.

“A hidratação pode ser feita com substâncias oclusivas, como ceramidas, óleo de silicone, vitamina E e ativos anti-inflamatórios, como azuleno e niacinamida. A pele sensível deve ser limpa, no máximo, de manhã e à noite e hidratada até três vezes ao dia”, explica Denise.

O filtro solar físico é uma boa opção para a pele hiper-reativa, prefira os formulados com dióxido de titânio e óxido de zinco. Já para a rotina da noite, repita o ritual de limpeza e hidratação.

“Dependendo da idade e do grau de hiper-reatividade da sua pele podemos sugerir ativos anti-aging na formulação do hidratante. Os ativos com ação anti-idade que devem ser evitados são o retinol e ácido glicólico. O peróxido de benzoíla, utilizado para quem tem acne, também pode ser agressivo para a pele sensível”, conta a dermatologista.

Fica a dica

Para diminuir o risco de sensibilização, Denise indica usar quantidades menores dos produtos e com menos frequência, cerca de duas a três vezes por semana, e ir aumentando gradualmente, até o limite da pele.

“É possível testar qualquer agente tópico no interior do seu braço antes de aplicá-lo no rosto. Esta área imita a pele do rosto em termos de sensibilidade, mas também pode ser facilmente escondida se houver algum tipo de reação visível”, finaliza a expert.

- Por Aline Marchiori