Filtro solar por tom e tipo de pele: como escolher

O verão vai ficar muito melhor quando você encontrar o filtro solar por tom e tipo de pele, que funciona para sua rotina

Compartilhar:

Filtro solar é indispensável para garantir a saúde da sua pele, especialmente no verão e em um país tropical como o Brasil, com incidência de raios solares ainda maior. Fazer da aplicação do protetor solar um hábito é super necessário, mas muitas vezes o passo é deixado de lado, pela incompatibilidade entre tipo de pele e a textura do filtro. Por isso, explicamos como escolher seu filtro solar por tom e tipo de pele e incluir ele de vez na rotina.

Filtro solar por tom e tipo de pele: como escolher

“Todo mundo deve reaplicar o filtro solar a cada 2 horas, uma camada espessa, além de usar chapéu com tecido de fotoproteção e óculos escuros. Também é recomendado sempre usar filtros solares com base, pois aumentam a barreira de proteção da pele”, fala a dermatologista Thais Pepe.

Por tipo de pele

Pele equilibrada

É aquela que apresenta nível controlado de oleosidade – equilibrado, como o nome fiz. São recomendados os filtros em formato sérum, loção ou spray, pois apresentam maior resistência ao contato com suor e água.

Pele oleosa

Excesso de brilho e oleosidade na “zona T” (testa, nariz e queixo) são algumas das principais características da pele oleosa. Quem tem essas queixas deve optar por um protetor que não obstrui os poros, como os que são à base de gel, sem gordura ou álcool. Versões leves como gel-creme, oil free, sérum e mousse são as mais indicadas para quem sofre com a oleosidade excessiva.

Pele seca

É a que está mais propensa a aparecer os primeiros sinais do tempo e sua principal característica é a tendência ao repuxamento, além de toque áspero e aspecto seco. Para manter a hidratação desse tipo de pele, o ideal é optar por um filtro solar na versão creme e que contenha água e óleo em sua composição.

Pele sensível

Sua principal característica é a hiper-reatividade e intolerância. Para regular a sensibilidade da pele, os melhores protetores são os que não possuem perfume e têm formulação neutra. As versões em loções e gel-creme são as mais indicadas.

Por tom de pele

Para identificar seu tom de pele, a SBD propõe a Escala Fitzpratrick: uma metodologia de 1976, que divide os tons por capacidade de sensibilidade, bronzeamento e vermelhidão, quando expostas ao sol. A classificação não considera termos técnicos mais recentes, mas ainda é bastante utilizada no mundo todo.

Pele clara ou branca

É o tom mais sensível ao sol e a tendência é que fique vermelha, em vez de se bronzear. Apresenta irritação quando exposta ao sol e está muito suscetível ao câncer de pele. Esse tipo de pele deve usar FPS altos. Na escala Fitzpatrick:

  • Pele branca: sempre queima, nunca bronzeia e muito sensível ao sol;
  • Pele branca: sempre queima, bronzeia muito pouco e sensível ao sol;

Pele média

Tem baixa tendência ao bronzeamento e queima com muita facilidade. Como também corre alto risco de câncer de pele, o fator de proteção indicado para este tipo de pele é o FPS 60. Na escala Fitzpatrick:

  • Pele morena clara: queima moderadamente. bronzeia moderadamente e sensibilidade normal ao sol;
  • Pele morena moderada: queima pouco, sempre bronzeia e sensibilidade normal ao Sol;

Pele negra ou retinta

Esse tom mais escuro esconde os efeitos do fotoenvelhecimento, apesar de ter facilidade para se bronzear. A aplicação do filtro solar acima do FPS 45 é indispensável, inclusive para evitar manchas e, mesmo as peles mais escuras tendo uma capacidade maior de dispersar os raios UV, a proteção solar é essencial também nestes tons. Na escala Fitzpatrick:

  • Pele morena escura: queima raramente, sempre bronzeia e pouco sensível ao sol;
  • Pele negra: queima raramente, totalmente pigmentada e minimamente sensível ao sol.

- Por Isabelle Guedes