Diferença entre filtro solar com cor e base com FPS

Qual dos dois pode realmente ser o melhor amigo do seu rosto?

Filtro solar com cor e base com FPS brigam pump a pump por um lugar ao sol (literalmente) na rotina de cuidados diários com a pele. Mas qual é o melhor para você? Fomos investigar com uma dermatologista. A resposta está a seguir.

Na praia e piscina: FPS com cor

Nesses casos, ou na prática de esporte outdoor, é melhor escolher filtro solar. “Muitas vezes, ele tem proteção física e química e, portanto, é mais estável e protege a pele por um tempo maior”, fala a dermatologista Denise Lage. “Eles devem ser reaplicados após entrar na água ou a cada duas horas, mesmo os que contenha a frase ‘resistente a água’ no rótulo.”

No dia a dia: base com FPS

No dia a dia, como regra geral, você pode optar pela base. “Exceto para quem trabalha ou faça alguma atividade outdoor”, fala Denise. “As tonalidades, sensorial e textura dos novos fotoprotetores com cor costumam agradar bastante e, percebo que, muitos optam por essa escolha mesmo no dia a dia e deixam a base para o make de eventos e festas”, observa Denise.

E se eu tenho acne?

Nesse caso, você precisa de proteção. “O que ajuda no tratamento da acne é a escolha correta de filtro ou base – e não o número de produtos ou de camadas que você aplica no rosto”, garante Denise. As novas fórmulas contêm ingredientes calmantes e esfoliantes, que controlam a oleosidade excessiva. “Vários cosméticos são desenvolvidos especificamente para pele brasileira com formulações diferentes de outros países”, analisa a médica.

E se eu preciso de cobertura?

Base com FPS garante boa cobertura. Mas existem fotoprotetores com excelente cobertura, equivalente às bases. A escolha é sua. Vale o mesmo se você sofre com melasma. “O ideal é usar base líquida ou protetor com cor – deixo a paciente escolher o que prefere, assim a adesão ao produto é melhor – e por cima oriento aplicar pó compacto com cor, ou seja, uma camada líquida e outra sólida para garantir fotoproteção especialmente contra a luz visível, a grande vilã no gatilho do melasma”, finaliza Denise.

- Por Karina Hollo