- Por Gui Takahashi

Shampoo certo para o tipo de cabelo

Que princípio ativo procurar no rótulo para acertar na mosca o shampoo que seus fios vão amar? Resposta aqui!

Ainda há quem duvide dos poderes do shampoo. Porém, hoje é possível encontrar fórmulas bem avançadas que, além de limpar, tratam. Segundo a cosmetóloga Sônia Corazza: “O shampoo é uma fórmula que chamamos de ‘rinsável’, ou seja, fica muito pouco tempo na superfície do fio e do couro cabeludo antes de ser enxaguada.

Para conseguir, ao mesmo tempo, melhorar as condições do cabelo, a tecnologia é fundamental. É ela que fará com que os ativos atuem rapidamente nos locais certos”. O cabeleireiro Helio Nakanishi vai mais longe. “Com a nanotecnologia, os shampoos trazem princípios ativos de condicionamento e tratamento, melhorando a maleabilidade, a penteabilidade e o brilho dos fios.”

Rebeldia zero

Cada cabelo, uma sentença. Se o seu caso é de fios rebeldes e com frizz incontrolável, existe a fórmula certa para você! “Os shampoos que disciplinam possuem uma associação de ingredientes que neutralizam a eletricidade estática, driblando o arrepio. Além disso, também têm ativos umectantes que melhoram a hidratação, enquanto aminoácidos reforçam a estrutura e ajudam a recuperar a maciez, evitando danos”, diz a cosmetóloga.

Sensibilidade extra

Se você abusou da química, da chapinha, do babyliss, saiba que o cuidado deve começar logo no shampoo. “Antes de depositar ativos restauradores, é importante remover impurezas, deixando a superfície do cabelo livre. Nesse caso, a matéria prima que limpa é o tensoativo. Ele quebra a tensão superficial da sujeira para que ela seja removida. Já para a reconstrução em si, é importante buscar aminoácidos ou ceramidas que sejam capazes de aderir às escamas dos fios, restaurando”, afirma Sônia.

Caracóis perfeitos

A forma cacheada pede uma fórmula de shampoo especial. “É importante que ele tenha propriedades químicas que melhorem a viscoelasticidade dos fios e princípios ativos que ajudem na definição dos cachos e redução da eletrostática. O resultado é menos frizz e ondas mais definidas”, fala Helio.

Linda e loira

Ser loira dá trabalho. Para conseguir manter o tom conquistado, vale seguir a dica de Sônia: “Um bom shampoo para fios loiros agrega difusores óticos e agentes antioxidantes. Estão em alta os derivados da folha de oliveira, do chá verde e da uva vermelha”. Isso vai fazer com que a tonalidade continue uniforme. Mas o shampoo para loiras vai além de proteger o dourado dos fios. “A descoloração deixa o cabelo sensibilizado. O produto precisa devolver a flexibilidade e resistência dos fios”, diz Nakanishi.

Colorida

Um drama parecido também é vivido por quem tem os fios coloridos. Nesse caso, parece até que a lavagem é inimiga da cor, fazendo-a ir embora. Mas, a partir de agora, pode considerar o shampoo um grande aliado! “Os específicos para esse tipo conseguem limpar sem agredir ou retirar os pigmentos. Além disso, criam uma película de proteção que garante o brilho por mais tempo”, diz o cabeleireiro. Sônia complementa: “Eles protegem a estrutura do fio. Para que o tom se mantenha vibrante é importante que a fórmula tenha antioxidantes também”.

Desafina

É possível dar um up no cabelo fino e minguado desde a hora de lavar. Existem shampoos que conseguem garantir mais volume e corpo aos fios tristonhos. “Os principais ativos são a quitosana e o pantenol associados à capsaicina e cafeína. Esses polímeros de alta capacidade de aderência grudam ao redor das fibras capilares. E, somados a vitaminas que absorvem água, dão volume ao cabelo”, conta a expert em cosméticos.

Mata sede

Para quem tem o cabelo ressecado, o que funciona é usar shampoos com ingredientes que atraem e retêm as moléculas de água na cutícula capilar. “O ácido hialurônico quaternizado, as proteínas vegetais de trigo e aveia e o pantenol são ótimos ativos para isso”, diz Sônia.

Equilibrada

De acordo com Sônia, o shampoo para as oleosas é mais adstringente. Porém, para não causar o efeito “rebote” (quando a retirada da oleosidade acaba sendo supercompensada depois), os bons produtos têm ação sebo estática e equilibram a produção de gordura na glândula sebácea. Que poder!