- Por Karina Hollo

Tipos de lixas de unha e como usar

Foi-se o tempo que elas eram apenas um palito com papel áspero. Coloque em ação cada um dos novos modelos no mercado.

Você pode ter a melhor coleção de esmaltes do mundo, mas de nada adianta se jogar na cor do momento se suas unhas estão tortas ou sem forma.

Para ficar antenada, o formato conta tanto quando o tom (e o bacana, hoje, é o levemente arredondado). Por isso, tenha sempre a postos uma lixa para retoques diários. Quer saber qual o melhor tipo? Vem que a gente conta!

A mais comum (e mais barata também) pode ser usada sempre, “mas sempre do lado mais fino”, avisa Raíssa. Ele vai deixar o formato mais suave, sem “dentes” nas suas unhas. Mas tem um motivo para ela ser tão acessível:

“Esse modelo de lixa é descartável e deve ser jogado fora após duas ou três utilizações”. Ou seja, nada de ficar se apegando à sua por semanas, como a gente sabe que acontece. Se quer uma para deixar na bolsa, invista nas de ferro.

Além da durabilidade ser muito maior (dá para usar até perder a aspereza), ela oferece a possibilidade de higienização, evitando a contaminação por fungos e bactérias.

“O único cuidado deve ser não usar muita força na hora de lixar, para não estragar as unhas.” E além disso tudo, elas costumam ser uma fofura! Perfeitas para ter sempre na bolsa como acessório.

Aquela que parece um retângulo de isopor corresponde a uma etapa diferente do cuidado com as unhas: “Ela é polidora e deve ser usada com muito cuidado, para não afinar demais a superfície ou danificar a camada superior, o que acarreta quebras”.

Para não passar do ponto, preste atenção ao calor. “A unha jamais deve ficar aquecida. A alta temperatura acarreta em perda de nutrientes.”