- Por Karina Hollo

Como controlar a transpiração

Como controlar a transpiração - Nosso expert responde suas dúvidas sobre o assunto e acaba com seus dilemas.

Com o stress, há mais produção de cortisol e ele atinge a glândula sudorípara. Assim, aumenta-se o suor. Vale usar sabonetes à base de ácido salicílico, peróxido de benzoíla e adapaleno. E desodorantes com cloridróxido de alumínio. Aplicar leite de magnésia na região das axilas também auxilia na diminuição do suor. É importante optar por roupas de algodão, que facilitam a transpiração e evitar fios sintéticos. Na clínica, aplicação de toxina botulínica auxilia no combate ao suor em excesso.

Muitas pacientes se incomodam mais com a sudorese nos meses de inverno. Isso acontece porque, no verão, a pessoa pode suar em várias áreas do corpo (rosto, pernas, virilha). No inverno, como existe uma constrição pela diminuição das veias das extremidades, perde-se menos calor nessas regiões. E o suor vai se concentrar na região das axilas, que é uma área coberta.

A saída é escolher bem o tecido da roupa — preferencialmente algodão. Evite tecidos sintéticos, banhos quentes e substâncias estimulantes como cafeína e bebidas alcoólicas. Além disso, use antitranspirantes com alta concentração de cloridróxido de alumínio.

 

Você pode usar de dia e à noite. Se o produto tiver alta concentração de cloridróxido de alumínio, a orientação é usar à noite e reaplicar de dia. Assim, haverá uma inibição mais eficaz da glândula sudorípara.

 

Não há contraindicação do uso do antitranspirante diariamente. O que devemos é alternar as concentrações do cloridróxido de alumínio — entre 8% (antitranspirantes usuais) e os de supervisão/orientação médica, que variam de 15 a 25%.

 

Sim. Eles obstruem os poros.

Os desodorantes em geral — em aerossol, spray, roll-on — podem conter álcool e fixadores na composição, e desencadear irritações. O perfume pode também causar alergias.

A depilação deixa a pele mais vulnerável. Por isso, recomenda-se uma pausa entre a depilação e o uso do desodorante. Cremes, talcos, e os que não contenham álcool e uma quantidade grande de fixadores são os mais adequados.

 

Usando roupas de algodão ou tecido tecnológico e evitando as de fios sintéticos. Vale também optar por desodorantes roll-on ou spray e tomar banho com sabonete bactericida, uma vez por semana.

A hiperidrose é detectada na região axilar, mãos, pés ou em outras áreas do corpo. As opções de tratamento são várias. Medicamentos via oral (ansiolíticos) agem nos casos de ansiedade e stress. Cirurgia faz a raspagem das glândulas de suor ou a retirada do nervo que estimula essas glândulas. Esse procedimento pode gerar o suor compensatório em 30 a 40% dos pacientes. Isso significa que a sudorese deixa de existir naquela região e começa a se manifestar em outras áreas do corpo. É possível também aplicar toxina botulínica, intervenção muito eficaz e sem riscos de suor compensatório. O procedimento é simples, sem necessidade de internação. É realizado no consultório, com uso de pomada anestésica. A aplicação dura de 6 a 8 meses, e pode ser repetida. Outra saída é o uso de fórmulas tópicas que contenham cloridróxido de alumínio em altas concentrações.

Alimentos ricos em cafeína, ou alimentos picantes, condimentados, têm efeito termogênico, causando elevação da temperatura corporal – o que pode desencadear a sudorese.