6 ácidos para tratamento de pele

Quer conhecer tratamentos para clarear manchas e controlar melasma? Os ácidos para tratamento de pele podem ajudar nessa missão!

Compartilhar:

Condições como o melasma e outras manchas são a segunda maior reclamação feminina nos consultórios dermatológicos (ficam atrás só da acne!). Os ácidos surgem como boas opções de tratamento, na medida em que oferecem efeito de renovação celular ou de clareamento das manchas. Conversamos com a dermatologista Dra. Valéria Marcondes para descobrir tudo sobre eles!

1. Ácidos azelaicos

Com ação clareadora, é uma opção terapêutica que pode ser usada inclusive na gestação para prevenir, melhorar, controlar e clarear o melasma. “Ele age nos melanócitos (células que produzem o pigmento de melanina), interrompendo essa atividade e seu desenvolvimento. É um ativo que não age no pigmento normal da pele, mas sim apenas quando há excesso de pigmentação, inibindo uma enzima chamada tirosinase, que atua e estimula o processo de produção de melanina”, explica a médica. A substância pode ser utilizada na face e no corpo.

2. Ácidos retinóicos

Apesar de não ter ação clareadora direta, é um ácido que age na melhora da renovação (ou turn over) celular, fazendo com que as células cheguem mais jovens, oxigenadas e nutridas à superfície da pele. “Por esse efeito de renovação, ele pode ser usado em associação a outras substâncias clareadoras com o benefício de eliminar essas células manchadas”, fala Valéria. É necessário ter cautela e orientação médica para o uso desse ácido, que é fotossensível. E, no dia seguinte, o fotoprotetor é primordial.

3. Ácidos glicólicos

Por ter forte característica esfoliante, que quebra e diminui a adesão entre as células da primeira camada da pele, o ácido glicólico abre portas de entrada para que tudo que está com ele penetre nas camadas da pele. “Por isso, ele pode ser um complemento para atuar contra as manchas, na medida em que diminui a espessura da pele e facilita o trabalho de substâncias clareadoras”, diz ela.

4. Ácidos kójicos

Permitido durante o verão e em períodos gestacionais, esse ácido é derivado de várias espécies fúngicas e é considerado extremamente importante para o tratamento de manchas. “Ele é um potente despigmentante natural e inibe a ação da tirosinase, aquela que estimula a produção de melanina, promovendo a diminuição da formação de pigmento. Pode ser usado sinergicamente com vários outros ativos clareadores para potencialização dos resultados”, explica.

5. Ácidos ascórbicos

A famosa Vitamina C é um poderoso antioxidante, cuja aplicação tópica permite alcançar níveis que não seriam possíveis com a ingestão de frutas ou de suplementação oral. Esse ácido uniformiza o tom de pele e tem duas ações importantes no clareamento: inibe a atividade da enzima tirosinase, responsável pela síntese de melanina; e tem efeito protetor da radiação UV — já que a fotoexposição gera espécies reativas de oxigênio, que desencadeiam a produção de pigmentos na pele. Prefira as fórmulas em nanocápsulas e que visem manter a estabilidade da vitamina, já que o composto é quimicamente instável e perde rapidamente suas propriedades em contato com a luz, o oxigênio e o calor.

6. Ácidos fíticos

Substância presente em cereais (arroz, aveia e germe de trigo), tem mecanismo semelhante ao da Vitamina C, sendo bloqueadora da tirosinase, diminuindo a produção de melanina. Por isso, é considerado um clareador seguro e tem atividade progressiva.

- Por Karina Hollo