- Por Gui Takahashi

Spray fixador que não deixa o cabelo duro

Esqueça o velho laquê. As novas fórmulas fazem muito pelos seus fios e sem deixar o penteado parecendo um capacete. Oba!

 Updated

O spray surgiu na década de 40, com a disseminação da patente do aerossol, após a Segunda Guerra Mundial. Até então, essas embalagens eram usadas apenas para borrifar inseticidas, mas acabaram sendo adotadas para abrigar fixadores de cabelo. O auge de venda dos finalizadores de penteados foi nos anos 60, época dos looks bem modelados.

De lá para cá, o spray de cabelo se reformulou, evoluiu, e hoje oferece muitos benefícios que vão além da fixação. “Os primeiros eram compostos a partir de uma resina que se assemelhava a goma-laca. Daí o nome “laquê”. Esse produto criava camadas de películas, deixando os fios duros e imóveis. Atualmente, sua formulação básica é a partir de etanol, resinas e água. Alterando a concentração desses componentes básicos, temos a variação entre as fixações” explica o hair stylist Rafaelli Aguilheiro.

Sem vestígios

Outra melhoria pela qual os sprays passaram é que não deixam mais resíduos sobre os fios. Agora, eles têm uma fórmula mais leve e que não forma resquícios esbranquiçados, como os de antigamente. Mas para a remoção drama free na hora do banho, o expert ensina: “Use um pouco de condicionador antes do shampoo para facilitar na hora de pentear e desembaraçar o cabelo úmido”.

A jato

Hoje é possível encontrar sprays com diferentes tipos de aerossol. A escolha vai depender do efeito desejado. “Os jatos mais difusos e secos dão um acabamento mais natural ao look, desde que não tenham uma fixação extraforte. Nesse caso, na hora de borrifar, mantenha uma distância de 30 centímetros dos fios, sempre movimentando o tubo. Já os jatos mais direcionados e propositadamente úmidos proporcionam um aspecto mais elaborado”, diz Aguilheiro.

Ainda não tem um?

Forte defensor do spray, o cabeleireiro afirma que todo mundo deve ter um em casa, porque é o tipo de produto que pode salvar aqueles seus dias de fios indomáveis. Afinal, existem para todos os tipos de cabelo e para proporcionar os mais variados resultados. Segundo ele, os benefícios são incontáveis: filtro UV, tratamento, volume, tecnologia contra estática, frizz e umidade, micropartículas de cristais para brilho…

“Não deixo nenhuma cliente sair do salão sem indicar um hair spray, caso ainda não tenha. Às vezes ainda pergunto: quantos pares de sapato você tem? E não tem nenhum spray? Trate de comprar um agora!”, brinca Rafaelli.

Blindada

Se o seu cabelo tem frizz, isso pode ser resolvido com um spray fixador! Muitas fórmulas contam com alta tecnologia para combater os fiozinhos arrepiados. O hair stylist explica como funcionam: “Elas formam uma película protetora antiestática e antifrizz até mesmo para dias úmidos, além de terem propriedades de tratamento que hidratam e mantêm a maleabilidade e a flexibilidade do cabelo”. Nesses casos, segundo ele, as fórmulas costumam conter glicerina ou pantenol, que dão brilho.

Cor que dura

Quem tem o cabelo colorido sabe que um dos grandes inimigos dos seus fios é o sol. Para ficar protegida do desbotamento, é bom ter à mão um hair spray com proteção solar. “Como esse tipo de cabelo passou por um processo químico, o córtex e as cutículas podem estar sensibilizados. A consequência disso seria a perda da cor e o ressecamento”, explica o expert. Por isso, proteger é essencial para aumentar a durabilidade da coloração.

Encorpada

É verdade que as donas de cabelos finos têm mais dificuldade na hora de conseguir um look volumoso do tipo “capa de revista”. Mas isso tem solução com o spray fixador certo. De acordo com Aguilheiro, a fórmula que possui proteína de trigo ajuda bastante a dar corpo e volume, além de reparar os fios e manter a hidratação.

Um dos truques do cabeleireiro é aplicá-lo na raiz, ainda sobre o cabelo úmido, para em seguida usar o secador dando forma e, só então, voltar a borrifar o fixador. Outra sugestão dele é aplicar o hair spray nos fios secos, enrolá-los com rolos ou em anéis, prendendo com grampos e deixar alguns minutos. Na hora de soltar você terá ondas volumosas!

Curvas definidas

Para as de fios crespos ou cacheados, o mais indicado é manter distância das fórmulas que deem volume ou as muito secas. O melhor é optar por sprays que ajudem a hidratar ou com óleo na formulação. “Uma técnica que pode funcionar muito bem para controlar o cabelo armado é usar um anti-frizz antes, borrifar o fixador e depois fazer um coque. Quando você soltar, a forma estará mais definida.

Na realidade, essa dica pode funcionar para vários tipos de cabelo: lisos, levemente ondulados, ou até mesmo cabelos mais grossos que necessitam de disciplina. Como geramos uma certa tensão ao prender, quando soltamos as ondas ficam mais desenhadas. Mesmo fios mais retos podem ter uma certa facilidade de memorizar o penteado com auxílio do spray correto. Se fizer o teste, poderá se surpreender”, diz.

Jogo da memória

Você pode até ter achado estranho ao ler o rótulo de algum spray que ele ativa a “memória” dos fios. Na realidade, isso quer dizer que vai deixar o penteado mais fácil de ser remodelado, mesmo no dia seguinte. “Quanto maior a fixação, maior a memória. A quantidade e a qualidade do hair spray são fundamentais para poder refazer o look. Para isso, você não pode utilizar nem muito e nem pouco produto. O ideal é sentir o cabelo com uma textura mais firme, porém flexível, conta Rafaeli.

Alto brilho

Para manter o penteado por mais tempo, sem perder a luminosidade, preste atenção à qualidade do spray. “Apesar de terem evoluído bastante, não se pode comparar a qualidade de hair sprays de linhas profissionais com produtos comercias. Os profissionais são mais complexos e mesmo os extrafortes são de fácil remoção e ainda proporcionam tratamento”, garante o expert. Assim, os de acabamento brilhante que possuem partículas ultrafinas evitam que os fios fiquem com aspecto oleoso. Algumas fórmulas levam até extrato de cristais para garantir brilho máximo!

Qual seu grau?

É possível encontrar sprays de graus variados de fixação. Para saber qual o seu tipo, Aguileiro explica: “Os mais secos e leves são para cabelos finos. Os de fixação média, para cabelos normais. E os fortes e extrafortes para grossos e indisciplinados. Mas devemos sempre levar em consideração o tipo de look desejado, pois se desejamos criar uma forma mais estruturada, com mais definição, por exemplo, precisamos de um fixador mais poderoso”.