solucao-de-beleza evandro-angelo 2014-08-18 cabelos materia Tratamentos para cabelo com progressiva Seus fios ficaram magicamente lisos, sem aquele volume de juba? Não se engane, alguns cuidados ainda são necessários para mantê-los saudáveis. https://cdn.belezanaweb.com.br/image/upload/v1/loucas-por-beleza/images/escova-progressiva-cuidados-cabelo-liso-saudavel/materia_bg_11.jpg
control:05e8d6c0-5bc8-49e3-8a35-801a36c986fc
imagem 1

Química que maltrata


Muitas donas de cabelos rebeldes e volumosos sonham alisá-los para deixar a vida mais prática, sem precisar encarar escova e chapinha todo santo dia.

Não é à toa que as progressivas se tornaram febre entre quem sofria para domar os fios. Acontece que a química usada pode agredir a fibra capilar.

Para você aprender a combater esses danos, investigamos o assunto com dois experts no assunto: o hair stylist Evandro Ângelo e a cosmetóloga Sonia Corazza.

     

Contrariando a natureza

“As escovas progressivas são tratamentos químicos que atacam a estrutura natural do fio, quebrando ligações do aminoácido responsável pela sua resistência. Assim, as propriedades naturais de elasticidade, brilho e maciez do cabelo ficam comprometidas, tornando-o áspero e muito opaco”, explica Sonia.

Além disso, durante o processo, as fibras também perdem água e proteína. Para Evandro, o perigo se torna muito maior quando uma progressiva é realizada sobre outra progressiva: “Em excesso, ela deixa o fio sem vida, sem saúde e sem maleabilidade. Quando feita dessa forma errada, o cabelo fica como se estivesse ‘envernizado’, impedindo a absorção de nutrientes”.

Por isso, o certo é que o retoque aconteça apenas na parte do cabelo que cresceu, mantendo-se a distância de 1 centímetro da raiz.

Os alisadores

Algumas fórmulas de progressivas contêm formol como agente alisador. Em uma concentração de até 0,2%, essa substância age apenas como um conservante, e seu uso é liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Porém, em quantidade superior, seu uso não é recomendado.

“O formol quebra a ponte de ligação do aminoácido do fio, e por ser uma molécula bem pequena, consegue penetrar rapidamente fibra adentro, desfazendo a série de proteínas formadoras do cabelo”, diz Sonia. Essa mudança de estrutura é que pode deixar os fios mais sensíveis, frágeis e sem vida.

Ainda existem outros quatro agentes capazes de modificar a estrutura capilar e também acabar prejudicando os fios: tioglicolatos, guanidina, hidróxido de sódio e derivados do ácido glixílico.

Evandro Ângelo acrescenta que os alisamentos popularmente conhecidos como “progressivas com carbocisteína” tendem a alterar a cor dos fios. “Ela altera a pigmentação: os loiros ficam amarelados, os ruivos ficam alaranjados e os castanhos ficam vermelhos.”

     
     

Tratamento da salvação

Uma vez feita a escova progressiva, é necessário restaurar as fibras que foram alisadas. Para isso, reconstruir e hidratar é fundamental. Segundo Sonia, “a reposição proteica vai ajudar a reestruturar o fio, enquanto a manutenção de água pela hidratação vai devolver flexibilidade, evitando o ressecamento e a quebra”.

Nessas horas, usar ampolas e máscaras de tratamento é muito importante. Para saber como fazer, o expert dos fios, Evandro, recomenda: “Use a máscara de hidratação uma vez por semana. É importante deixá-la agir de 5 a 10 minutos.” Ela vai devolver aos fios a água perdida durante a progressiva.

Também é possível optar por uma máscara reconstrutora que ajudará a repor a matéria (proteínas e aminoácidos) do cabelo.

Ângelo também conta que é importantíssimo ir ao salão a cada 60 dias para uma cauterização, que irá repor a queratina perdida. Quanto às ampolas, o ideal é ir ao salão para aplicá-las. Como são mais concentradas, é preciso que o profissional massageie e deixe agir no tempo certo, que varia de cabelo para cabelo.

Produtos certos

Depois, a rotina ainda deve incluir shampoos, condicionadores e finalizadores específicos para restaurar as fibras internamente.

Outra dica de ouro dada por Sonia é usar produtos com proteínas hidrolisadas de seda, caxemira e queratina. “Por serem de origem animal, são as mais absorvidas pelo fio danificado. Mas as de origem vegetal, como trigo, amêndoas, aveia, entre outras, também colaboram bastante para essa recuperação parcial.

A provitamina B5 não pode faltar, pois segura a água e assim melhora a formação das fibras capilares”, afirma.

     
     

Prato colorido

Finalmente, a alimentação também é muito importante. “Os fios são formados no bulbo capilar, dentro do couro cabeludo, que por sua vez é nutrido pelo organismo.

Proteínas vindas da gema de ovo, carne de porco e frutos do mar vão auxiliar muito na recuperação do cabelo tratado quimicamente”, diz a cosmetóloga.

control: 0d7ca42d-d795-4375-ad9f-1968cb3ee0a6
MAIS DICAS DE BELEZA DOS NOSSOS EXPERTS
control: b1e01479-21d4-49f1-a8d1-a028002523ea
control: 65b85a53-e9cb-4adf-bfab-15c9aa2541f8